Notícias do Vale do Paranhana.

A rainha Jéssica Bischoff e as princesas Nathália Kinast e Natália Dier, da 32ª Oktoberfest de Igrejinha, divulgam a edição de 2019 da festa exibindo um traje de passeio com referências que unem história e memórias. Conceitos remetendo aos festejos de kerb, à alegria e à força do voluntariado, à beleza das flores e ao calor dos visitantes nortearam o trabalho da estilista igrejinhense Sônia Maria Kaefer, do atelier Sônia Moden Haus – expressão em alemão que significa casa da moda.

A inspiração da modista partiu de referências dadas por integrantes da diretoria e da comissão de cultura da festa ainda no final de 2018, como os bordados feitos nas roupas usadas em datas festivas.

– Tenho muito na lembrança a imagem das minhas avós bordando ou crochetando trajes para ocasiões especiais. Foi em detalhes assim que sugerimos a busca de inspiração para os trajes, algo que remetesse aos antepassados – conta Priscila Reinheimer, esposa do presidente da 32ª edição, Ezequiel Stein.

Confeccionando trajes típicos desde a primeira Oktober de Igrejinha, em 1988, Sônia desenvolveu o modelo com base em pesquisas históricas.

– Usamos tons que respeitam as cores da inspiração Hünsrick, que são sóbrias, mas vibrantes, capazes de carregar a energia do voluntariado – destaca a estilista. Sônia acrescenta que o processo de produção contou com o apoio de toda a equipe do seu atelier.

A história é contada por ricos e exclusivos bordados, que estão presentes em cada detalhe do traje, no corpo, nas mangas e no avental. O corpo do vestido, em rosa antigo, vem com adereços em renda brocada, galardão, fitas de cetim e correntes com pingentes. As saias são em tafetá bordô, com detalhes feitos manualmente. As blusas são de chifon cristal, com detalhes de renda – que lembram crochê. Os aventais são em cetim cristal preto com bordados exclusivos de edelweiss – flor que é símbolo do amor eterno na Alemanha e da festa “De todos para todos” – e flores que anunciam a primavera, estação em que acontece a Oktober. Os casacos são de lã preta, com detalhes bordados que ficam em sintonia com os aventais e representam o calor dos visitantes.

– Fiquei admirada com a história por trás de cada detalhe, além de lindo nosso traje é repleto de cultura, um verdadeiro traje típico, que nos leva de volta às nossas origens – destaca a rainha Jéssica Bischoff.

Para a princesa Nathália Kinast, – os trajes são maravilhosos, possuem traços simples com toques de nobreza, como os dos imigrantes que colonizaram nossa região, é um resgate de nossas origens –.

A princesa Natália Dier salienta os detalhes, – cada um tem significado, o que o torna mais especial ainda! Todas as pessoas elogiam muito, principalmente por ter sido confeccionado na nossa cidade –.

fotos: Juliano Arnold