Notícias do Vale do Paranhana.

A região de Taquara permanece em bandeira vermelha, conforme mapa definitivo divulgado pelo governador Eduardo Leite, nesta segunda-feira (13).

Os municípios do Paranhana – com exceção de Rolante e Riozinho – haviam ficado no indicativo de risco alto ao coronavírus no mapa preliminar da décima rodada do distanciamento controlado e se manteve no indicativo. Na sexta-feira (10), 15 regiões foram classificadas com risco epidemiológico alto da Covid-19. No entanto, após análise de 63 pedidos de reconsideração das bandeiras, dez regiões ficaram em bandeira vermelha.

O prefeito de Taquara, Tito Livio Jaeger Filho, falou que um encontro com outros líderes executivos da região nesta terça-feira (14) trará definições.

— Estamos nos programando para amanhã pela manhã realizar reunião com os demais prefeitos que integram a nossa região para avaliar a situação e definir os próximos passos. Até a divulgação de novo Decreto Municipal, seguem em Taquara as regras que até então estamos adotando — declarou.

Segundo Leite, considerando pedidos dos município e associações, a partir de agora, o comércio varejista não essencial está autorizado a funcionar no modo pague e leve drive thru em regiões de bandeira vermelha. O modo de tele-entrega para esse segmento já estava autorizado.

RISCO MÉDIO

As regiões de Cruz Alta, Santo Ângelo, Santa Rosa, Santa Cruz do Sul e Erechim tiveram seus pedidos de reconsiderações acolhidos pelo Gabinete de Crise e seguem com a bandeira laranja. As áreas haviam sido considerados como de bandeira vermelha na última atualização de dados, divulgados na sexta-feira.

Já Santa Maria, Ijuí, Uruguaiana, Bagé e Lajeado permaneceram na bandeira laranja. As medidas entram em vigor a partir desta terça-feira e seguem até o dia 20 de julho.

NOVOS LEITOS

O governador confirmou a incrementação da habilitação de 73 leitos de UTI para pacientes com Covid-19, sendo 75% a mais do que no início da pandemia no Rio Grande do Sul.

— São 1.630 leitos, contra 933 que tínhamos em março. Este crescimento contribui para que o índice de lotação de nossas UTIs fique na média de 75%. Caso contrário já teríamos 100% dos leitos ocupados — disse.

Ele também anunciou o recebimento de 103 respiradores – 50 beira-leito e 53 de transporte – do Ministério da Saúde.