Notícias do Vale do Paranhana.

O mês de maio é marcado pela campanha “Maio Amarelo”, que, através de ações de conscientização, busca reduzir o número de acidentes de trânsito do Brasil. Atento à importância do assunto para a cidade e região, o vereador Juliano Müller apresentou projeto de lei que institui a Semana Municipal do Trânsito em Igrejinha.

Desse modo, o texto foi protocolado no dia 02 de março, aprovado em votação na Câmara de Vereadores e agora parte para sanção do poder Executivo. O projeto sugere que, durante a primeira semana de maio, haja programação com ações e eventos que incentivem a educação, conscientização e respeito no trânsito, envolvendo diversos grupos e instituições, como Corpo de Bombeiros Voluntários, Brigada Militar, Clubes de Serviços, Instituições, Centros de Formação de Condutores e escolas.

Número de acidentes exige a tomada de ações

Em nível nacional, os acidentes tem diminuído, em grande parte devido a lei seca. Por outro lado, os dados do trânsito ainda preocupam e exigem ações. Segundo a Seguradora Líder – administradora do Seguro DPVAT, em 2019 mais de 1.800 pessoas perderam a vida em acidentes no Rio Grande do Sul. Além disso, 9.963 solicitaram cobertura por invalidez permanente e outras 5.654 requereram para cobrir despesas médicas.

— Embora sejamos cortados pelas rodovias ERS 020 e ERS 115, sendo esta última registra um fluxo de aproximadamente 7 mil veículos por dia – segundo a EGR Rodovias -, os números de 2019 apontam que a maior incidência de morte, percentual maior de 70%, ocorreu em acidentes nas vias urbanas de Igrejinha. Isso mostra que os pequenos trajetos diários exigem uma postura consciente e preventiva — destaca o vereador Juliano, frisando que no ano passado foram registradas 15 mortes no trânsito do município.

Outro ponto importante mencionado pelo vereador Juliano, autor do projeto, é o estímulo ao uso de transportes alternativos e não poluentes.

— Empatia mútua, conduta preventiva e interatividade sustentável são o tripé da Cidadania no trânsito. Isso se faz sempre necessário e importante porque efetivamente salva vidas — complementa o parlamentar.