Notícias do Vale do Paranhana.

A Polícia Civil realiza ação, nesta segunda-feira (2), para combater o abigeato no Rio Grande do Sul, principalmente em áreas do Vale do Paranhana e Litoral Norte. Cerco de 80 policiais e oito fiscais agropecuários da Secretaria Estadual da Agricultura participam da chamada Operação Regresso, que cumpriu 12 mandados de busca e sete de prisão preventiva.

Já são oito suspeitos presos e os nomes ainda não foram divulgados. As prisões ocorreram em Gravataí (5), Caxias do Sul (2) e Minas do Leão. Somente neste ano, conforme a apuração, o grupo furtou mais de 300 cabeças de gado.

Segundo a Delegacia Especializada na Repressão aos Crimes Rurais e Abigeato (Decrab) de Bagé, responsável pela investigação de três meses, foram identificados pelo menos sete suspeitos de envolvimento no esquema, sendo quatro ladrões, dois pecuaristas apontados como receptadores, e o funcionário de um dos criadores de gado. Uma oitava pessoa, também pecuarista, foi detida por posse ilegal de arma de fogo. Outros supostos integrantes do grupo também são investigados.

De acordo com o delegado responsável pelo caso, André Mendes, inicialmente, havia informações de que alguns indivíduos estariam associados em prol do furto de gado, especialmente na Serra e Litoral.

— Com o desenrolar das investigações, que duraram três meses, foram sendo identificados os integrantes dessa organização criminosa, além da participação do grupo em diversos crimes de abigeato nos municípios de Santo Antônio da Patrulha, Palmares do Sul, Capivari do Sul, Osório, Tavares, Maquine, Taquara e Mostardas. Conforme apontam as investigações, apenas este ano, a organização foi responsável pelo furto de mais de 300 animais bovinos, trazendo enormes prejuízos rurais aos produtores das regiões atacadas — relatou o delegado.

A quadrilha era conhecida por furtar no mínimo 20 cabeças de gado de uma só vez, utilizando caminhões para o transporte. Um destes veículos foi apreendido na manhã desta segunda-feira.

Os bovinos eram levados para a Região Metropolitana, principalmente Gravataí, para confinamento ou abate.

A polícia ainda apreendeu dois caminhões usados pelos criminosos para o transporte do gado furtado. Segundo Mendes, um dos pecuaristas — que é conhecido por alugar gado e cavalos para rodeios — comprava os bovinos para repassar a abatedouros clandestinos. A Secretaria Estadual da Agricultura também interditou um abatedouro clandestino, inclusive com câmara fria, em Gravataí.

A OPERAÇÃO

A Operação Regresso, que contou com a participação de 80 policiais civis e oito fiscais agropecuários da Secretaria Estadual de Agricultura, carrega esse nome em razão do retorno de uma modalidade de abigeato que utilizava caminhões para furtar grande quantidade de animais bovinos. Essa prática estava praticamente extinta desde 2017. Com a ação de hoje, a equipe da Decrab acredita que com a desarticulação da organização criminosa, os índices de abigeato tenham significativa diminuição no final do ano no estado.