Notícias do Vale do Paranhana.

A Justiça de Taquara determinou, na tarde deste sábado (27), a suspensão imediata das provas seletivas da 4ª etapa do Prêmio Freio de Ouro, que estavam ocorrendo no Parque de Eventos Vitor Mateus Teixeira, Parque do Rolantchê, em Rolante, sob pena de multa diária no valor de R$ 10 mil. O documento determina, ainda, no prazo de 24 horas, a desocupação do parque e o cancelamento do evento.

Neste sábado, ocorreu o segundo dia de provas da competição, sem transmissão pelas redes sociais e com arquibancada vazia. O evento é organizado pelo Núcleo Encosta da Serra da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC), que garante cumprimento de todas as medidas de seguranças, seguindo os protocolos sanitários preconizados.

O governo do Estado, no entanto, diz que o evento é irregular. O presidente do Núcleo, Evaldo Rosa, disse não ter sido informado da decisão até a tarde deste sábado. Mas garantiu que a última prova desta etapa do evento seria terminada ainda pela tarde.

— A prova já está sendo encerrada e o parque será esvaziado — afirmou às 16h10.

Segundo o titular da Procuradoria-Geral do Estado (PGE), Eduardo Cunha da Costa, o evento é ilegal porque desobedece o decreto estadual de distanciamento social que prevê o limite de 30 pessoas em atividades deste caráter. Mas, segundo Rosa, desde o dia 27 de maio a prova tinha autorização da prefeitura para ocorrer no local.

O Ministério Público de Taquara expediu, também na tarde deste sábado, recomendação para que o município de Rolante, na pessoa do prefeito Régis Luís Zimmer, adotasse providências no sentido de verificar a veracidade de informações sobre a existência de aglomeração irregular durante o evento.

Os moradores chegaram a questionar a aglomeração de trabalhadores, ginetes e demais pessoas que participam – o que aumentaria a chance de contágio pela doença.

Evaldo Rosa declarou que havia garantia de um protocolo de segurança para todos os presentes:

— O protocolo de cuidados da covid foi feito pela diretora de epidemiologia e o diretor clínico da Santa Casa de Porto Alegre. É um evento fechado. O público é o ginete, seu auxiliar e o proprietário. Só.

*Com informações do jornal NH e GaúchaZH