Notícias do Vale do Paranhana.

Duas pessoas morreram por volta das 7h30 da manhã desta segunda-feira (16) na explosão de uma caldeira de um frigorífico na Rua Armindo Eugênio Bohrer, no bairro Tucanos.

Conforme o Corpo de Bombeiros, a força do estouro fez com que as vítimas Alberto Scrauss, 53 anos, e Roberto de Oliveira, 36 anos, fossem arremessadas a 25 e 50 metros da caldeira. Outros quatro funcionários ficaram com arranhões e escoriações.

As vítimas estariam colocando lenha no equipamento quando houve a explosão, em uma sala de material de aproximadamente 20 metros quadrados — que teria ficado destruída com o acidente. O Corpo de Bombeiros afirma que a caldeira era antiga e não teria suportado a pressão.

Pouco antes das 9h, o Corpo de Bombeiros já havia deixado o local. A Brigada Militar (BM) ainda faz o isolamento. A análise do Instituto-Geral de Perícias (IGP) foi encerrada por volta das 13h.

Segundo o perito Marcelo Domingues, as mortes ocorreram por múltiplos traumatismos.

Relatório do IGP deverá elucidar a causa do acidente

Em rápida coletiva (vídeo abaixo), o advogado Jair Caletti, assessor jurídico do frigorífico Marinês Borges — que antes pertencia à Embutidos Smaniotto —, afirmou que toda a assistência às vítimas e familiares já foi providenciada. Segundo ele, a empresa aguardará o resultado da perícia para se pronunciar.


DOCUMENTAÇÃO

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Agricultura e Pecuária de Taquara informou que a documentação da empresa está em dia.

O delegado de Taquara, Ivair Matos Santos, diz que a documentação do frigorífico já foi solicitada. Juntamente desses documentos e do resultado do trabalho da perícia é que será possível identificar se houve, de fato, algum tipo de negligência por parte da empresa, causa externa ou falha humana.

TRAUMA

“Nasci de novo.”

Um dos quatro funcionários feridos, Leandro Correia dos Santos, de 19 anos, fez um relato de sua experiência traumática à reportagem.