Notícias do Vale do Paranhana.

A crise no Hospital Bom Jesus (HBJ), em Taquara, parece não ter fim. Suspeitas de irregularidades da Associação Beneficente Sílvio Scopel, gestora da casa hospitalar, vêm sendo apuradas pelo Ministério Público Federal (MPF) de Novo Hamburgo desde janeiro de 2019 (em março, funcionários chegaram a paralisar os serviços).

Na semana passada, o assunto esquentou após a demissão da então diretora administrativa, Alexandra Camargo, ocorrida na última quinta-feira (4). Em solidariedade à colega, o diretor técnico Renato Menzel Neto e a assessora da direção Saraí Rivero pediram desligamento de seus cargos.

Em junho, Alexandra, em depoimento ao MPF, disse que a agenda de exames não vinha sendo cumprida, o que estaria prejudicando especialmente os pacientes com câncer.

No depoimento ao MPF, feito no dia 19 de junho passado, Alexandra declarou que 140 pacientes aguardavam para biópsias de mama, próstata e hepática, sendo 21 deles já falecidos e 33 que realizaram os procedimentos por conta própria.

Confira a lista completa abaixo:

A LISTA

Ressonância magnética
64 pacientes na fila
5 falecidos
20 fizeram por conta própria
O que prevê o contrato: 20 exames mensais

Exames de cintilografia
93 pacientes na fila
7 falecidos
27 fizeram por conta própria
O que prevê o contrato: 30 exames de cintilografias mensais

Biópsias de mama, próstata e hepática
140 pacientes na fila
21 falecidos
33 fizeram por conta própria
O que prevê o contrato: 20 exames mensais

Tomografia
168 pacientes na fila
6 falecidos
37 fizeram por conta própria
O que prevê o contrato: 155 exames mensais

NOVO DIRETOR

O novo diretor administrativo do HBJ de Taquara é Rafael Rodrigo da Silva (foto abaixo). Natural de São Leopoldo, Silva teve atuação de gestão em áreas de saúde, tendo passagem pelo Pronto Psiquiatra – Cisame e Hospital Regina, de Novo Hamburgo.

— Atenção, respeito, cuidado e solidariedade. Os pacientes que estão no Hospital Bom Jesus devem ser atendidos como se fizessem parte da nossa família. Quando entendemos a dor da outra pessoa passamos a compreender a forma como gostaríamos de sermos vistos e, consequentemente, tratados. Tudo isso faz uma grande diferença. Essa foi a determinação do superintendente da Scopel Gestão Hospitalar, o médico Piraju Nicola Neto, desde o meu primeiro momento aqui e tenho procurado conversar diariamente com todos os colaboradores e pacientes do HBJ, para que mantenham esse foco — frisou.

SUPERINTENDÊNCIA FAZ CRÍTICAS À ANTIGA DIRETORA

Em nota publicada na última sexta-feira (28), o superintendente da Associação Beneficente Sílvio Scopel, Piraju Nicola Neto, justificou a demissão de Alexandra com acusações fortes.

“Não temos como manter alguém em um cargo de tamanha confiança a partir do momento que tomamos conhecimento das suas inúmeras barbáries cometidas contra a saúde pública do município de Taquara e região, as quais foram conduzidas de forma sorrateira e mentirosa. Confiamos, em todos os momentos, à gestão do Hospital Bom Jesus para uma pessoa que participava e tinha o poder de nos representar nas reuniões do Conselho de Saúde, CIR, SES, entre outros. Estranhamente, o que me questiono é o porquê que, somente agora, ocorreram denúncias de irregularidades, provavelmente por (Alexandra) ter sentido o seu cargo ameaçado devido às últimas notificação administrativas que recebeu (…) “, diz o texto.

O presidente da Scopel Gestão Hospitalar, Juarez Lamb, manteve o tom das críticas:

“Quando começamos a descobrir o que realmente acontecia no Hospital Bom Jesus, em se tratando da administração da unidade a qual fora mal conduzida, ficamos estarrecidos e agimos imediatamente. E pelo que podemos observar nos relatos da ex-diretora Alexandra, parece termos indícios que a mesma, estava trabalhando contra os princípios da moral e dos bons costumes da nossa empresa, afinal, era ela (Alexandra) quem conduzia todas as ações no hospital. Ao dizer que não compactua com a nossa forma de gestão, ela deve ter esquecido que era ela a responsável pelos atos praticados nesta Unidade, pelo que podemos observar, teremos muitas novidades indesejáveis, diante do que entendo ter sido conchavos com o consentimento da ex-diretora. Isso é preocupante e lamentável. Mas nos comprometemos em passar um pente fino em tudo o que aconteceu no período em que a Alexandra estava como Diretora, e assim que tivermos uma conclusão ou novos fatos tornaremos público”

A nota assinada pela assessoria de imprensa da Scopel Gestão Hospitalar segue em tópicos. Confira a reprodução ipsis litteris abaixo:

Descaso com as pessoas

O atendimento humanizado que é recomendado em todas as ações desenvolvidas pelos colaboradores da Scopel Gestão Hospitalar foi deixado de lado pela ex-diretora do Hospital Bom Jesus.

Em relatos que chegaram à sede administrativa da empresa, após ocorrida a demissão de Alexandra Camargo, observa-se que ocorreram descaso com as pessoas que, em vários momentos, não eram atendidas à noite por alguns médicos que, com o pretexto de “não acostumar mal” a comunidade com o primeiro atendimento no HBJ, encaminhavam os pacientes para o Posto de Saúde e PA da prefeitura ou as deixavam esperando durante horas, não se importando com aquele momento de dor e dificuldade.

“Isso é vergonhoso, um verdadeiro descaso com a comunidade que necessita de atendimento. Ninguém procura o hospital, principalmente à noite, sem uma real necessidade. E ainda observo uma informação da ex-administradora dizendo que tem a consciência tranquila sobre o trabalho desenvolvido, que foi o mais honesto possível! Este tipo de afirmação é repugnante. Deixar as pessoas esperando por horas para serem atendidas ou encaminhá-las para o atendimento em um Posto de Saúde, fazendo-as sofrer ainda mais é inadmissível. Rever isso tudo, fazer uma auditoria interna para saber quais os profissionais negaram o atendimento nestes casos e, principalmente, pedir desculpas para os moradores de Taquara e da região não é um dever, mas obrigação de todos nós que fazemos o dia a dia da Scopel Gestão Hospitalar”, disse Piraju.

Acertando as contas com a comunidade

Tendo em vista a ex-diretora ter feito referências a uma série de procedimentos administrativos, elencamos aqui alguns tópicos que agregarão valor ao que será apresentado no decorrer dos próximos dias para a comunidade, porém, são importantes destacar no momento:

Metas

Sobre o comentário que as metas não estavam sendo atingidas, buscamos à partir da demissão da ex-diretora os motivos que inviabilizavam isso, tendo em vista que sempre que solicitada informava à direção da Scopel Gestão Hospitalar que estava ocorrendo dentro da normalidade, fato que, lamentavelmente, não era verdade.

Logo após a demissão, tendo em mãos parte da documentação recolhida na administração do hospital – inclusive com atas, soubemos que a conivência da então diretora administrativa permitia que ocorressem as negativas de acesso de vários médicos do HBJ, que não atendiam com e tinham o consentimento de Alexandra Camargo.

Sendo assim, os quantitativos não foram alcançados por conta desse descaso, tendo, inclusive, manifestações contrárias a este tipo de atitude registradas em Ata da reunião da CIR.

Cirurgias oncológicas

Sobre o que foi dito na imprensa, relatando pagamento das cirurgias oncológicas em atraso desde setembro do ano passado, Alexandra Camargo não informou que o encaminhamento das cobranças foi feito por ela somente no mês de maio de 2019, de uma forma irresponsável, com a apresentação de valores errados que, no caso de pagamento, teria comprometido significativamente as finanças do hospital, documentos comprobatórios quanto a estes fatos já entregues ao MPF.

Pedidos de desligamento

Até o final da manhã da sexta-feira (5), o até então diretor técnico do HBJ, Renato Menzel Neto, e a assessora da direção Saraí Rivero, solicitaram demissão.

O novo substituto para o cargo de diretor técnico médico é o renomado cardiologista Daniel Kollet.

Transparência das ações

A realização de uma reunião que envolva as autoridades municipais, Conselho Municipal de Saúde, imprensa regional e comunidade está sendo trabalhada pela direção da Scopel Gestão Hospitalar para o decorrer da primeira quinzena de julho. Na oportunidade, além da apresentação oficial do novo diretor administrativo do Hospital Bom Jesus, serão apresentadas informações sobre o que realmente aconteceu na Casa de Saúde, prestando contas, inclusive, com o que foi apresentado ao Ministério Público Federal no decorrer do mês de junho.

“É preciso lembrar a todos quem somos e porque estamos aqui. Não foi para ludibriar ninguém ou, tampouco, fazer falcatruas. Agora é questão de ajustarmos uma data que possa reunir o maior número de pessoas realmente interessadas em promover a saúde pública na cidade e não apenas aparecer na mídia, dando desculpas ou se fazendo de vítima. Essa apresentação se faz necessária, é questão de tempo. Não temos o que esconder”, ressaltou Piraju Nicola Neto.