Notícias do Vale do Paranhana.

Em assembleia organizada pelo Sindisaúde-RS (Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde) nesta quinta-feira (28) em Taquara, trabalhadores do Hospital Bom Jesus (HBJ) decidiram em realizar um ato de protesto paralisando as atividades por 12 horas no dia 12 de março. A decisão é um manifesto de reivindicação de salários atrasados e insatisfação com as condições de trabalho oferecidas pela gestão do hospital. Desde dezembro de 2017 a mantenedora da entidade é a Associação Silvio Scopel.

A assembleia reuniu os funcionários em frente à sede da casa hospitalar. Eles usavam camisetas pretas e nariz de palhaço.

As técnicas de enfermagem eleitas para integrar uma comissão de funcionários que dialogará com o Sindisaúde-RS e os profissionais do Bom Jesus, Veridiana Lopes e Heloísa Rodrigues, relataram escassez de material de sinais vitais, médicos especializados para procedimentos de parto, aparelhos que não funcionam e uniformes comprados pelos próprios funcionários.

— É importante começarmos com uma paralisação, para depois, no mesmo dia deste ato, fazer uma assembleia geral e organizar outros movimentos. Chega de retirar direitos dos trabalhadores — justificou o diretor de interior do Sindisaúde-RS, Júlio Cesar Duarte.

Colocada em votação, foi aprovada por unanimidade a paralisação de 12 horas no dia 12 de março. Nesta data, o Sindisaúde-RS e os funcionários do hospital farão atos em Taquara para comunicar à população os problemas do Bom Jesus.

Diretores do Sindisaúde-RS Julio Jesien e Julio Duarte em mesa de negociação

“Queremos ser tratados como profissionais de saúde”

Em carta aberta distribuída durante a assembleia, o relato das condições do HBJ, como situações de pacientes com doenças infecto-contagiosas acolhidos na emergência.