Notícias do Vale do Paranhana.

A diretora da Câmara de Vereadores de Taquara, Marilene Wagner, de 60 anos, foi vítima de uma tentativa de feminicídio na madrugada desta quinta-feira (22). O crime ocorreu na ponte sobre o Rio dos Sinos, na RS-020, em Taquara, por volta das 4h30. A própria vítima relatou a policiais que teria sido baleada pelo seu ex-companheiro, José Antonio Sartori.

De acordo com informações da Brigada Militar, a corporação recebeu do Hospital Bom Jesus (HBJ) um chamado informando sobre a entrada de uma vítima baleada. No local, policiais foram levados até o quarto em que Marilene estava em atendimento, onde a servidora, consciente, relatou que havia sido baleada por Sartori e fingiu-se de morta.

Segundo o relato prestado aos policiais, Marilene detalhou que retornava de Porto Alegre acompanhada de Sartori quando o ex-companheiro, alegando problemas mecânicos, teria estacionado próximo à ponte, descido do veículo, e, após vestir luvas, aproximou-se da vítima e disparou seis ou sete vezes. Acreditando que estivesse morta, após o crime, ele próprio levou a mulher ao HBJ. Ao ser atendida, ela narrou o acontecimento aos médicos, que chamaram a polícia.

O acusado, de 61 anos, foi detido e apresentado na Delegacia de Polícia de Pronto-Atendimento (DPPA) de Taquara. Ele afirmou à polícia que o casal teria sido vítima de uma tentativa de assalto. Sartori foi autuado em flagrante pelo crime de feminicídio (homicídio cometido contra mulheres motivado por violência doméstica ou discriminação de gênero) tentado. O veículo foi apreendido.

A presidente do Legislativo taquarense, Sirlei Silveira, informa que Marilene foi transferida para o setor de pronto-socorro e passa por cirurgia. Segundo a assessoria de imprensa da casa de saúde, a vítima apresenta ferimentos no abdômen, braço e perna. A situação é considerada grave.