Notícias do Vale do Paranhana.

A família de Sérgio Jaime Bernardes, 64 anos, prepara para este fim de semana uma cerimônia de despedida do taxista, de Rolante, morto por traficantes há pouco mais de dois meses. O corpo da vítima foi encontrado carbonizado no porta-malas de um veículo em Canoas, na Região Metropolitana. O laudo da perícia comprovou que eram os restos mortais do motorista.

Segundo a filha, Maiara Bernardes, 29 anos, a família recebeu no dia 22 de maio a confirmação, por meio de análise do DNA, de que o corpo era do pai. Uma semana depois, em 29 de maio, foi feito o sepultamento dos restos mortais. A família organiza para o domingo (9) um culto ecumênico. A cerimônia está prevista para 9h30, na sede do Grêmio Esportivo Internacional de Rolante.

— Ele já está enterrado aqui. Nós não fizemos enterro. Mas vamos fazer um culto ecumênico em forma de agradecimento a essas pessoas todas que rezaram e mandaram boas vibrações pela passagem dele — afirmou a filha.

O idoso desapareceu em 28 de março na localidade do Morro da Figueira, em Rolante, com o táxi, um Spin. O carro foi localizado parcialmente queimado cerca de uma hora depois. Segundo a investigação, Bernardes foi morto por traficantes de drogas. Conforme o delegado Vladimir Medeiros, quando foi interceptado, o taxista não era o alvo do criminosos, que estariam em busca de outra pessoa.

Ainda assim, os traficantes levaram a vítima de Rolante até uma residência em Portão, no Vale do Sinos. No local, o taxista teria sido torturado por cerca de meia hora e depois morto pelos criminosos. Ele foi enterrado em cova próxima desta casa. Para confundir a investigação, teriam retirado corpo do local dias depois e colocado no porta-malas de um carro. O veículo foi incendiado em Canoas.

*Com informações de GaúchaZH