Notícias do Vale do Paranhana.

O Consórcio Pró-Sinos vem acompanhando a situação da Barragem das Laranjeiras, que fica no limite entre Três Coroas e Canela.

O esvaziamento do reservatório da barragem foi motivado por necessidade de manutenção da estrutura, gerando aumento da turbidez da água do rio Paranhana e apreensão de moradores e gestores municipais. Segundo relatos, houve o aparecimento de lodo e de peixes mortos nas margens do rio.

No início da semana, o consórcio realizou a coleta de água do Rio dos Sinos e de seus afluentes em 24 pontos de 16 cidades da Bacia Hidrográfica do Sinos entre eles, o ponto que fica próximo à barragem. Em relação à turbidez da água, a medição dessa semana foi de 150 NTU, um aumento de mais de 13 vezes em relação ao valor obtido na medição de setembro, que foi de 11 NTU. O NTU é uma unidade de medida para avaliar a diminuição da passagem da luz em um meio, causada pela presença de partículas em suspensão. Para fins de comparação, o limite na água potável é de 5 NTU (30 vezes menos do que o constatado), enquanto na piscicultura é de 40 NTU.

Em relação ao ocorrido na Barragem das Laranjeiras, o consórcio pretende solicitar à Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) e à Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) um estudo do impacto ambiental produzido. O objetivo é identificar os pontos afetados nos rios Paranhana e Sinos, onde se depositou o lodo e as consequências para o ecossistema dos rios e das margens.

— Paralelo a isso, estamos em contato com os municípios para identificar percepções e atuar como interlocutores das necessidades deles — destacou ao Jornal do Comércio o diretor-técnico do Pró-Sinos, Hener de Souza Nunes Júnior.

Para a a diretora-geral do Pró-Sinos, Jéssica Madril, o monitoramento é uma importante ferramenta.

— Nos ajuda a acompanhar parâmetros da qualidade da água. É fundamental termos as informações centralizadas em uma única plataforma e atualizadas frequentemente. É isso que queremos com o Projeto de Monitoramento Espacial — destaca

O software que reunirá esses dados e permitirá avaliá-los está em desenvolvimento. A plataforma do Pró-Sinos deve ser lançada ainda neste ano.

*Com informações do Jornal do Comércio