Notícias do Vale do Paranhana.

A Associação Taquarense dos Amigos Ciclistas (Atac) participará da sessão da Câmara de Vereadores de Taquara nesta segunda-feira (9), a partir das 18h. A entidade levará a conhecimento da comunidade demandas tratadas com a Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR) desde o início da obra de duplicação da ERS-239 em 2018: a ausência de ciclovia e passarela no projeto.

Segundo a Atac, serão apresentados dados e detalhes do projeto que está sendo executado na duplicação da ERS-239, “assim como fatos que comprovam a total discrepância da EGR em suas respostas”, diz a entidade em publicação no Facebook.

De acordo com a direção da Atac, a EGR está descumprindo a Lei Federal de Mobilidade Urbana (Lei 12.587/2012), “não democratizando o uso da rodovia, sem priorizar o uso de veículos não motorizados e pedestres”, justifica a associação.

— Estamos há meses tentando comover a EGR para que faça uma correção no projeto de duplicação, pois, mesmo descumprindo leis, o órgão não previu ciclovia nesta parte da rodovia, que, salientamos, é perímetro urbano da cidade de Taquara e limítrofe a quatro bairros populosos: Empresa, Ideal, Santa Teresinha e Medianeira — explica o integrante da Atac, Humberto Klein.

Desde o início das obras no local (a assinatura foi feita pelo então governador José Ivo Sartori em junho de 2018), a Associação Taquarense dos Amigos Ciclistas (Atac) reivindica à Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR) a inclusão de ciclovia e passarela no projeto.

Na última segunda-feira (2), durante audiência pública que tratou a malha viária do Vale do Paranhana (rodovias ERS-115 e ERS-239), o integrante da Atac Humberto Klein alega que não teve vez para falar das demandas defendidas pela associação.

— Iremos convidar a promotora Ximena Cardozo Ferreira para participar e tentaremos ação judicial. Não vão fazer a ciclovia, mas pelo menos teremos tentado até a última instância — desabafa Klein.

A sessão será transmitida ao vivo e pode ser acompanhada neste link.