Notícias do Vale do Paranhana.

A vereadora de Taquara Magali Vitorina da Silva (PTB) teve o mandato cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RS) na terça-feira (17). A petebista poderá permanecer no cargo até o julgamento do recurso, em Brasília, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A ação do Ministério Público Eleitoral (MPE) alegava que a então candidata teria cometido abuso de poder político. A Promotoria alega que, embora a servidora tenha sido exonerada, durante a campanha teria permanecido desempenhando funções na Secretaria Municipal de Saúde, e controlava marcações de procedimentos médicos através de uma servidora.

Segundo o MPE apurou, Magali “valeu-se de sua condição de gestora para não só romper a isonomia entre os candidatos, mas também alcançar benesses e vantagens para determinados cidadãos da comunidade taquarense, buscando votos futuros”.

De acordo com a Promotoria, Magali “era conhecida por facilitar a marcação de procedimentos médicos para a população”.

A parlamentar nega os argumentos do MPE. Além disso, Magali também teria envolvimento com o esquema “fura fila”, que levou a cassação da ex-prefeita de Ivoti, Maria de Lourdes Bauermann.

*Com informações do jornal NH