Aproveite o melhor da internet com a TCA. Assine agora: 51 3541.9100

Você utiliza a internet o tempo todo. Das mensagens trocadas via Whatsapp ao streaming de séries da Netflix, ficou difícil imaginar uma vida 100% offline. Mas e se os donos da rede resolvessem cortar a conexão para sempre? Aliás, isso seria possível?

O que é a internet?

A internet consiste numa imensa interconexão de dispositivos. Ela surgiu a partir de pesquisas para fins militares, nos anos 1960. Em plena Guerra Fria, o governo dos Estados Unidos buscava encontrar uma solução robusta para os sistemas de comunicação. A ideia era criar uma rede de computadores descentralizada, que continuasse operante mesmo se uma unidade sofresse ataque.

Essa tecnologia foi adotada por algumas universidades, na década de 1980, facilitando a difusão de conhecimento. Anos depois, veio o uso comercial como o conhecemos. Foi aí que o grande público pôde vislumbrar as potencialidades do mundo digital.

Segundo levantamento da Statista, companhia alemã de pesquisa de mercado, hoje existem 3,58 bilhões de usuários de internet no planeta. Para que toda essa gente fique online, é necessária uma estrutura física que envolve cabos submarinos intercontinentais, satélites espaciais e outros equipamentos retransmissores de sinal.

Além disso, as máquinas precisam “falar a mesma língua”. Para tanto, utilizam protocolos padrão. O mais conhecido é o Hypertext Transfer Protocol (HTTP), que permite acesso às páginas da web, a interface gráfica da rede. Também há, entre outros, o File Transfer Protocol (FTP), para transferência de dados, e o Post Office Protocol (POP3), para envio e recebimento de e-mails.

Quem são os donos da internet?

Não existe uma entidade que se intitule dona da internet, até porque um dos preceitos é a descentralização. Ainda assim, diferentes órgãos exercem poder sobre, pelo menos, parte da tecnologia.

A maioria dos satélites e das torres de comunicação, por exemplo, pertence a governos e a empresas. Em países de regime autoritário, o controle desses mecanismos é rigoroso, impedindo que a população tenha acesso fácil a notícias e a redes sociais. Já em democracias como o Brasil, basta contratar um provedor para ter navegação irrestrita, conforme o princípio de neutralidade da rede.

Ainda, diversas organizações internacionais atuam para manter e melhorar o chamado ecossistema da internet. São consórcios e associações formados por engenheiros, programadores, designers e toda sorte de profissionais. Via de regra, não possuem fins lucrativos. Conheça alguns deles:

– World Wide Web Consortium (W3C): define padrões técnicos para a criação de sites. Um dos documentos já mencionados neste blog é o WCAG 2.0, que trata de boas práticas para acessibilidade.

– Internet Corporation for Assigned Names and Numbers (ICANN): uma de suas principais funções é administrar o Domain Name System (DNS), que associa nomes de domínio a endereços IP. Basicamente, garante que você chegue à página certa quando digita um endereço no browser.

– Internet Archive: atualiza uma biblioteca virtual que contém páginas da web, tanto as atuais quanto as já desativadas. São mais de 334 bilhões de registros.

– Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br): indica diretrizes para o desenvolvimento da rede no país e promove estudos para garantir a segurança dos serviços.

– Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br): realiza as funções administrativas e operacionais relativas aos domínios brasileiros. Qualquer site registrado com um “.br” no fim está no ar graças a esse grupo.

 

A internet pode parar de funcionar?

Vint Cerf, considerado um dos “pais” da internet, já admitiu: com tantos ataques cibernéticos e malwares circulando pelo meio digital, é admirável que a rede ainda sobreviva. Ele foi um dos inventores do modelo de comunicação que deu origem a essa superestrutura. Porém, num ato de humildade, reconhece que poderia ter tomado decisões diferentes – principalmente em se tratando de segurança.

Ainda assim, o criador destaca uma qualidade de sua criatura. Trata-se da alta resiliência, ou seja, uma capacidade impressionante de adaptação. A tecnologia evolui constantemente, de modo que ameaças são coibidas e problemas, rapidamente contornados.

Nos dias de hoje, internet já não se restringe a uma rede mundial de computadores. Celulares e aparelhos de TV estão online. Outros eletrodomésticos seguirão essa tendência, em breve.

No esforço em manter o aparato funcionando, cada entidade faz sua parte. A ICANN tem um ritual trimestral para reforçar a proteção de sua base de dados. A Internet Archive faz backup dos servidores para assegurar que a memória da rede seja preservada. E empresas como a TCA investem em infraestrutura para proporcionar uma banda larga veloz e estável a seus clientes.

Conheça nossos Planos de Fibra Ótica e aproveite o melhor da internet.