Notícias do Vale do Paranhana.

Na semana passada, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers) realizou reunião com o corpo clínico do hospital Bom Jesus, de Taquara. Referência na região, o local possui cerca de 30 médicos contratados pelo Instituto de Saúde e Educação Vida (Isev) que não vem realizando o pagamento integral dos médicos há cerca de quatro meses.

Durante a reunião, a representante do Isev informou ao Simers e aos médicos de que há indícios de que o hospital pode perder os atendimentos de referência nas especialidades de obstetrícia, pediatria e traumatologia, situação que já vem acontecendo em outros municípios do Estado.

No encontro, os 13 médicos presentes não aceitaram a proposta do ISEV de parcelar os valores em atraso em 10 vezes.

— A partir de agora eles vão ajuizar individualmente ações de cobrança através do Simers, buscando a remuneração dos trabalhos realizados — ressaltou o diretor da entidade, André Gonzales.

O dirigente ainda destacou que “essa situação de referência e contra referência é hoje, além dos salários dos médicos, o que mais nos chama atenção porque já está havendo em todo o Estado o fechamento de determinados serviços como obstetrícia e pediatria”.

Os médicos do hospital Bom Jesus seguem trabalhando mesmo com os salários atrasados porque, de acordo com eles, “o mais importante é o atendimento à população”.