Notícias do Vale do Paranhana.

Nesta quinta-feira (11), a Associação Beneficente Silvio Scopel, nova gestora do Hospital Bom Jesus (HBJ), de Taquara, fez uma prestação de contas das primeiras semanas de trabalho. A entidade de Cerro Branco assumiu a casa hospitalar no dia 20 de dezembro, após o afastamento do Instituto de Saúde e Educação Vida (Isev) pela Justiça Federal. Durante a coletiva, que ocorreu no auditório, também foi apresentada a nova direção do HBJ.

A frente da equipe está o diretor-geral Ricardo Pigatto. Ele falou sobre os desafios diante de uma crise instaurada ano passado no HBJ, que resultou em demissões de médicos, salários atrasados, falta de medicamentos e reclamações diversas da comunidade em relação ao atendimento.

A Associação Beneficente Silvio Scopel assumiu como gestora provisória do hospital pelo prazo de 120 dias (que poderá ser estendido) até que ocorra processo licitatório, o qual Pigatto admite haver interesse da entidade que representa em participar.

— Tudo vai depender do que nós passarmos, ou seja, se enxergarmos que é interessante continuarmos na gestão do HBJ. Há dificuldades políticas e a comunidade não ajuda como poderia. Nossos gestores ainda estão no direito de tomarem uma decisão nesse sentido, mas acredito que a presidência vai querer participar do certame licitatório — adianta.

A FILOSOFIA DE TRABALHO

De acordo com Pigatto, a mudança começou pela apresentação da identidade visual do HBJ. Segundo ele, a nova marca incorpora a força da instituição.

— As pessoas têm que acreditar no poder e na força características do Hospital Bom Jesus — explica o diretor-geral, acrescentando que todo o marketing feito pela casa será custeado com recursos próprios.

— Ainda teremos um jornal institucional feito pelo setor de comunicação, que é outra novidade.

Sobre a equipe diretiva, Pigatto destaca que é formada só por profissionais graduados e com vasta experiência em suas funções. Saiba quem são:

Melissa Fuhrmeister, gerente de hotelaria

Entre os principais métodos de trabalhos citados pela profissional, higienização, segurança, humanização e empatia serão prioridade.

— É preciso tratar o paciente como ele merece. Isso inclui cuidado com a integridade dos materiais hospitalares, manutenção correta de equipamentos e procedimentos adequados, de acordo com protocolos hospitalares. Sempre trabalhando com margem de segurança — destaca.

Jamyson Macedo, gerente de enfermagem

Oportunidade a novos talentos e protocolo de humanização é o foco.

— Queremos dar oportunidade a profissionais recém-formados, que passarão por um treinamento do HBJ e irão trabalhar de acordo a nossa filosofia, que é de qualificação e educação continuada — projeta.

Eliane Conrad, gerente de suprimentos

Comunicação é a palavra-chave.

— A gerência de suprimentos tem que ter comunicação perfeita com os sete locais do hospital que fazem o armazenamento do hospital, de modo que não ocorram falhas na distribuição e problemas na farmácia — avalia.

Renato Roberto Menzel, diretor técnico

Serviço público de qualidade é o mote do trabalho do médico.

DÚVIDAS

Os médicos afastados estão sendo chamados de volta?

De acordo com o diretor técnico, o médico Renato Roberto Menzel, sim.

— Temos conversado com colegas e é muito interessante a fé em nossa gestão que eles têm. Estamos muito animados com essa parceria, já que são médicos que fizeram história nesse hospital e estão retornando e retomando suas funções.

Como fica a questão dos salários atrasados?

Segundo Pigatto, embora a responsabilidade não seja da nova gestora, há solidariedade e apoio aos colaboradores.

— Toda a responsabilidade do dia 19 de dezembro para trás é da mantenedora passada (Isev). Do dia 20 para frente, como mostrou a prestação de contas feita, já foram pagos os salários dos funcionários, inclusive com pagamento de FGTS. O INSS faremos muito em breve, já que estamos fazendo o fechamento de uma folha que sequer tínhamos. Tivemos de fechá-la 11 dias parcial para não termos problemas de GFIP. Então, estamos resolvendo esse problema. Na última segunda-feira estivemos em uma reunião com o Sindisaúde-RS, e expliquei ao secretário geral e à representação jurídica toda essa situação. Nós somos solidários aos funcionários por não terem recebido pagamento pelo mês de novembro, por 19 dias de dezembro e o 13º salário. E o que podemos fazer? Nós vestimos a camiseta com os colaboradores e estamos brigando junto do Estado para que consigamos receber. Aliás, se tivéssemos conseguido receber o valor de R$ 1,21 milhão que a Justiça tentou, nós teríamos ajudado a fazer o pagamento. O que queremos é que os colaboradores entendam que não é a nossa responsabilidade, mas somos solidários com o que todos estão passando. E é o que viemos fazendo, com transparência, junto do sindicato e Ministério Público, para ajudem esses trabalhadores em atraso de pagamento.

PRESTAÇÃO DE CONTAS

A EQUIPE

Ricardo Pigatto – diretor-geral
Renato Roberto Menzel – diretor técnico
Jamyson Macedo – gerente de enfermagem
Melissa Fuhrmeister – gerente de hotelaria
João Antônio Winklert Filho – contador
Luis Carlos Santos – gerente administrativo
Eliane Conrad – gerente de suprimentos