Apresentação

Este blog é uma tentativa de traduzir o trabalho do pensamento em palavra escrita, com direito a falhas, equívocos e perdões.
Obrigado aos que tiveram o trabalho de dedicar sua atenção!

Perfil

Marcos Kayser é um dos sócios fundadores da TCA Informática que iniciou atividades em 1988. Idealizador do software Scopi. Bacharel, licenciado e mestre em Filosofia pela Unisinos. Tem curso de formação em gerenciamento de projetos. Presidiu a Câmara da Indústria, Comércio, Serviços e Agropecuária do Vale do Paranhana (CICS-VP). Preside o Comitê Regional do PGQP no Paranhana. Escreveu o livro O Paradoxo do Desejo, com prefácio de Márcia Tiburi, onde busca investigar a "mecânica do desejo nas relações de poder", e o livro Quando Tamanho não é documento, contando a história da gestão da TCA, vencedora do Prêmio Nacional de Inovação.

Obras do Autor
Buscar

Archive for setembro, 2015

De cabeça baixa

Os pais, as mães, os tutores, os professores, os psicólogos, os delegados de polícia, os promotores, os juízes e todos os políticos responsáveis por protegerem a sociedade deveriam assistir ao filme francês De Cabeça Erguida. Não há vilão, nem mocinho, muito menos efeitos especiais para prender a atenção do expectador, mas, mesmo assim, o filme é capaz de manter a atenção de todos que se preocupam com a violência e suas causas no Brasil. Malony, personagem principal, desde os seis anos de idade comete pequenos delitos e tem problemas com a polícia (não vou contar o filme). Durante toda a sua adolescência, um educador e uma juíza especializada na infância tentam salvá-lo. Chama a atenção a persistência da magistrada e a sua conduta. No aniversário dos 16 anos de Malony ela participa da comemoração, junto aos demais jovens recolhidos numa comunidade terapêutica. Aqueles que defendem que um juiz não pode se envolver emocionalmente vão trucidar a juíza do filme. Outro detalhe importante, ela permite a entrada do rapaz em sua sala, sem a necessidade de marcar audiência. Claro que tem um exagero aí, comparando com a realidade, até mesmo francesa. Apesar disso, mesmo a realidade francesa não sendo assim tão perfeita, há muitos bons exemplos no filme que poderiam ser seguidos pelas políticas brasileiras. O filme também serve para confirmar que a fonte da criminalidade está no desajuste familiar. Desajuste que não se dá necessariamente pela falta do pai ou da mãe, mas na falta do vínculo amoroso com um ou com o outro ou, ainda, com algum outro. Para Malony se distanciar da perversidade o vínculo com a própria juíza e com o seu educador foi fundamental. Olhando o filme, mesmo sem especialização em psicologia, fica fácil perceber que os responsáveis pela segurança no Brasil negligenciam as origens da violência. Tratam (e muito mal) só as consequências. Tamanha a distância entre o que vi no filme e o que acontece em nosso país, só me restou sair de “cabeça baixa”.

Niilismo político

Antes mesmo das eleições presidenciais ocorrerem no ano passado, a crise econômica já estava desenhada, ou melhor, ela já existia, porém o governo camuflava (“pedalava”), com o claro propósito da reeleição. Quando me refiro ao governo, não é só o PT, é também o PMDB que há décadas nos governa. A crise econômica foi represada e veio como um enxurrada. Inflação, restrição de crédito, disparada do dólar, desaceleração, desemprego e perda do grau de investimento, que é o mesmo que ser reconhecido como caloteiro, são aspectos de economia sem uma gestão responsável e competente. É de chorar, como se chora quando nosso time cai para a segunda divisão e tem que ficar no mínimo um ano sofrendo para subir novamente . Como se não bastasse, e um mal nunca vem sozinho, como diz o ditado, junto da crise econômica, temos uma grave crise política. O governo perdeu toda a credibilidade. Os petistas mais conceituados e menos doentes, reconhecem a fragilidade. Isso poderia significar uma oportunidade de mudança, que não deve ocorrer pelo simples fato da oposição ser dotada da mesma fragilidade. Resta saber em quem confiar? Neste momento, o niilismo político impera. Um nada que governa e um nada que tenta fazer oposição. Neste vazio do niilismo poderia se reestabelecer novos princípios que serviriam de base para criar um novo projeto de nação. Projeto de um novo modelo político e de um novo modelo econômico. Modelo político em que a discussão sobre a forma de governo, presidencialismo ou parlamentarismo, é menos importante do que discutir mudanças na Constituição. Primeiro é preciso redefinir as novas regras do jogo. Rever a quantidade de representantes, rever o papel e até a necessidade do Senado, rever os financiamentos das campanhas eleitorais, rever as garantias de imunidade, enfim, todos os elementos necessários para que tenhamos uma política eficiente e decente, que não seja facilmente dominada pela tentação da corrupção. Não precisa ser especialista, nem tão pouco pessimista, para prever que a situação pode ainda piorar. É bem provável que virão mais duas avalições de rebaixamento do nosso grau de investimento, o que determinará menos dinheiro investido no Brasil. A solução dizem que é cortar gastos e aumentar impostos. De que jeito cortar gastos se grande parte dos gastos do governo estão carimbados, ou seja, são obrigações determinadas na Constituição? De que jeito aumentar impostos se já temos uma tributação maior que os países do primeiro mundo, comprometendo a competitividade do setor produtivo? Mudar as leis parece simples, quando se tem legisladores com conhecimento em gestão e desprendimento pelo interesse particular da reeleição. A grande maioria não tem. Quem sabe pensar uma nova constituinte apartidária, com duração por prazo indeterminado, constituída por representantes da sociedade civil? Sem remuneração, é claro, só para medir quantos ainda tem amor pelo Brasil. Algo fora do comum, precisa ser feito pelos brasileiros, caso contrário, só mesmo com a ajuda de uma interferência divina. Quem sabe, afinal, dizem que Deus é brasileiro!

Marcos Kayser

Arquivos