Apresentação

Este blog é uma tentativa de traduzir o trabalho do pensamento em palavra escrita, com direito a falhas, equívocos e perdões.
Obrigado aos que tiveram o trabalho de dedicar sua atenção!

Perfil

Marcos Kayser é um dos sócios fundadores da TCA Informática que iniciou atividades em 1988. Idealizador do software Scopi. Bacharel, licenciado e mestre em Filosofia pela Unisinos. Tem curso de formação em gerenciamento de projetos. Presidiu a Câmara da Indústria, Comércio, Serviços e Agropecuária do Vale do Paranhana (CICS-VP). Preside o Comitê Regional do PGQP no Paranhana. Escreveu o livro O Paradoxo do Desejo, com prefácio de Márcia Tiburi, onde busca investigar a "mecânica do desejo nas relações de poder", e o livro Quando Tamanho não é documento, contando a história da gestão da TCA, vencedora do Prêmio Nacional de Inovação.

Obras do Autor
Buscar

Archive for agosto, 2015

O que eu aprendi com o meu pai?

O significado que um pai tem para um filho pode ser medido pelas memórias e registros que os filhos tem do que aprenderam com seus pais. Dependendo da resposta que um filho dá à pergunta sobre o que ele aprendeu com o seu pai, podemos ter uma noção de como era e é o seu pai. O pai ensina pela palavra, mas, principalmente, pelo exemplo. É pouco dizer faz isso ou faz aquilo. É necessário, além do discurso, a ação, para que o filho aprenda pela atitude do pai, prova viva de como ele também deve agir e ser. Não basta dizer, seja responsável, se o pai não assume as suas responsabilidades. Não basta dizer seja carinhoso, se o pai pouco carinho dá ao filho. Não basta falar para ser solidário, se o pai não estiver a disposição do filho, não para fazer tudo por ele, mas encorajá-lo a fazer, quem sabe, junto. A geração atual, chamada de Z, não tem o costume de fazer junto. Ela acha que pode fazer tudo sozinha, já que tem o acesso a tudo muito facilitado. Na Internet, por exemplo, tem tudo. Você encontra desde as dicas do que uma garota mais gosta, até como usar um preservativo. Contudo, na Internet você não tem o calor da relação, não tem a intensidade da emoção. E por falar em intensidade, uma vida só é vivida quando é intensa. Intensamente não é fazer de tudo um pouco, mas fazer o pouco com profundidade. Hoje, na sociedade em que vivemos, há mais espaço para a diversidade do que para a intensidade, tamanha a variedade de opções e a dificuldade de estabelecer vínculos. Opções de tecnologia, opções de entretenimento, opções de fazer muitas coisas que roubam o tempo que poderia ser usado para estar junto. Com o passar dos anos vamos percebendo que a vida é relações, e as relações entre pais e filhos, incluindo as mães, são as mais originais, as mais verdadeiras. Eu, infelizmente, nada aprendi com o meu pai, o que sei e sinto da paternidade veio da minha mãe, que fez às vezes do pai (obrigado mãe!). Espero que o pouco que consigo ensinar a aos meus filhos sirva para serem pessoas melhores do que eu. É difícil ser pai, mas é uma experiência sem igual. Obrigado meus filhos por terem respostas sobre o que aprenderam com o pai!

Marcos Kayser

Arquivos