Apresentação

Este blog é uma tentativa de traduzir o trabalho do pensamento em palavra escrita, com direito a falhas, equívocos e perdões.
Obrigado aos que tiveram o trabalho de dedicar sua atenção!

Perfil

Marcos Kayser é um dos sócios fundadores da TCA Informática que iniciou atividades em 1988. Idealizador do software Scopi. Bacharel, licenciado e mestre em Filosofia pela Unisinos. Tem curso de formação em gerenciamento de projetos. Presidiu a Câmara da Indústria, Comércio, Serviços e Agropecuária do Vale do Paranhana (CICS-VP). Preside o Comitê Regional do PGQP no Paranhana. Escreveu o livro O Paradoxo do Desejo, com prefácio de Márcia Tiburi, onde busca investigar a "mecânica do desejo nas relações de poder", e o livro Quando Tamanho não é documento, contando a história da gestão da TCA, vencedora do Prêmio Nacional de Inovação.

Obras do Autor
Buscar

Archive for julho, 2014

Vamos adotar os alemães?

Fez-se justiça no futebol. Logo o futebol que muitas vezes não é justo. O sorriso venceu o choro. O planejamento, o improviso. A glória, o lamento. Venceu a educação, a inteligência, a confiança, o equilíbrio emocional. Venceu o que chamamos de “primeiro mundo”, mas que pode ser apreendido por quem se reconhece menor. É bom demais ver ganhar quem merece! Que aula nos deu a Alemanha. Aula de cultura, engajamento e, principalmente, planejamento. Até a camisa, semelhante a do Flamengo, foi pensada. A presença das famílias sem prejudicar a concentração. E conseguiram uma façanha, foram mais alegres do que nós. Os alemães aprenderam com a derrota para o Brasil em 2002. Será que nos falta humildade ou inteligência para identificar nossas fraquezas e redesenhar um novo caminho de reconquistas? Pelo que se ouve de quem lidera, infelizmente, nada ou quase nada vamos aprender. O técnico brasileiro diz que estamos no caminho, que foi um apagão, algo momentâneo que não se repete, e, ao dizer isso, desmerece o fato ocorrido, perdendo a oportunidade de ensinar que não basta a motivação, é preciso trabalhar e, muitas vezes, repetir incansavelmente até acertar. No caso do futebol isso se chama treinar. Mas não nosso treinador preferiu a estratégia do jeitinho e da malandragem. Fez de conta que treinou um time e escalou outro. Achou que a psicologia motivacional eliminaria a insegurança de um grupo sem preparo técnico e emocional. Ao em vez de planejar as melhores estratégias, treinar e trabalhar, ficou preocupado em enganar a imprensa e o time adversário, dando coletes a quem não ia jogar. Não temos os jogadores mais talentosos do mundo, mas o que temos não justifica tomar 7 à 1. Equipes com a Argélia e Gana que fizeram frente a Alemanha não estão acima do nosso talento. A maior perda, não é tomar 7. A maior perda é deixar de aprender com tudo que esta tragédia dos gramados nos ensina. Tivemos uma aula que não se restringe ao futebol. O fracasso, o vexame, a humilhação sofrida, transcendem as quatro linhas e precisam sacudir a nossa nação. Assim como a própria Alemanha reconstruiu a sua seleção, pós 2002, e o seu país depois da segunda guerra mundial, nós poderíamos pensar em reconstruir nosso país. Estamos diante de uma oportunidade de superação, de evolução para um futuro melhor, não só no campo de futebol, mas em todos aqueles campos de abundante carência de condições. Nós poderíamos estar no lugar deles, mas não basta querer. É preciso pensar nas profundezas, planejar nos detalhes, trabalhar, trabalhar, trabalhar, para só depois comemorar. Para planejar, alguém já ouvir falar no Scopi – Software de Planejamento e Gerenciamento de Projetos? Certamente que sim e está aí uma boa ferramenta para ajudar a planejar (www.scopi.com.br).  Se não somos mais o país do futebol, o que seremos? Quem sabe, o futebol nos ensina e adotemos as virtudes dos alemães?

Marcos Kayser

A culpa é do clima

Haverá preferência entre um dia obscuro, de céu escuro, e um dia claro, ensolarado? Inverno ou verão? Acredito que a maioria das pessoas tem preferência pelo céu azul. Fisiologicamente a falta de sol leva à deficiência da vitamina D, essencial para manter o equilíbrio mineral no corpo humano e todo o seu metabolismo. Dias cinzentos são deprimentes, especialmente para os mais propensos a deprimir.  Dizem que os mais velhos e os mais solitários tem maior pré disposição à depressão. E aí me pergunto, um Estado como o nosso Rio Grande do Sul, com um inverno de muito céu encoberto, não estará propenso a se deprimir? Entende-se por depressão a falta de desejo, energia e alegria, falta de fé e até vontade de viver. No âmbito da sociedade gaúcha, a falta de fé seria na política deste Estado, que há anos não vê o desenvolvimento que se espera, o que acaba determinando a falta de vontade de viver aqui. Se perguntarmos para os mais jovens se desejam ficar no Rio Grande ou ir para outros lugares do país, é grande a quantidade deles que desejam sair. O culpado pela nossa decadência ou estagnação seria então o clima? Acho que não! Se fosse ele, jamais teríamos sido o que já fomos, por exemplo, referência em educação. Se fosse em função exclusiva do clima, países como Inglaterra e Canada, não seriam o que são. Claro que o clima influencia drasticamente a economia de uma região, tanto negativa como positivamente. Quando “São Pedro” ajuda (e tem ajudado bastante a safra gaúcha) vamos bem no agronegócio. Se o clima que mais interfere no nosso destino, é o clima interior. Precisamos ser mais engajados, quem sabe mais uruguaios, e mais arrojados, quem sabe mais chilenos, apesar de ambos terem se despedido mais cedo do mundial. Apesar disso, estão felizes por terem chegado aonde chegaram. Fizeram o que foi possível diante do tamanho que cada um tem.  E por falar de mundial, já estou me sentindo deprimido. Havia me acostumado a assistir futebol todos os dias. Voltemos ao clima do brasileirão!

Marcos Kayser

Arquivos