Apresentação

Este blog é uma tentativa de traduzir o trabalho do pensamento em palavra escrita, com direito a falhas, equívocos e perdões.
Obrigado aos que tiveram o trabalho de dedicar sua atenção!

Perfil

Marcos Kayser é filósofo e empresário. Escreveu o livro O Paradoxo do Desejo, com prefácio de Márcia Tiburi, onde busca investigar a "mecânica do desejo nas relações de poder", e o livro Quando Tamanho não é documento, contando a história da gestão da TCA, empresa da qual é um dos fundadores e foi vencedora do Prêmio Nacional de Inovação. Idealizador do Scopi, software líder de mercado, que tem como objetivo ajudar as organizações a criarem a cultura do planejamento.

Conheça o Scopi
Obras do Autor
Buscar

Hospital Bom Jesus: até onde as reclamações procedem?

Tem sido assunto veiculado na imprensa da região do Paranhana, as reclamações contra o Hospital Bom Jesus, motivadas por problemas de atendimento.  As reclamações, num primeiro momento, são graves e dificilmente não seriam, já que se trata de saúde, um tema sempre muito delicado. Qualquer conclusão que não for minuciosamente trabalhada, pode incorrer na injustiça e provocar danos irreparáveis. Como leigo, fico com a dúvida: até onde as reclamações procedem? Uma avaliação criterioso, envolvendo todas as partes: usuários, administradores do hospital, corpo docente, executivo municipal, vereadores e comunidade é uma medida recomendável. Numa leitura muito superficial, me parece que faltam esclarecimentos mais objetivos que pressupõe a apresentação de dados mensuráveis, que dizem respeito a quantidade e a qualidade. Afinal, qual é a meta de tempo de atendimento do hospital Bom Jesus e qual é a média que está sendo alcançada, considerando todos os níveis de complexidade? Qual é número de médicos disponível e a relação com o número de habitantes das cidades que o hospital atende? E qual é o ideal recomendado? Outra informação interessante seria os percentuais de atendimento por nível de complexidade e a relação com a meta estipulada. Com base nestes e outros dados é possível estabelecer comparativos entre o mês atual e o mês de um exercício anterior e com isso visualizar uma eventual evolução ou involução, para então responder de forma mais consistente se o Hospital está conseguindo cumprir com o seu verdadeiro papel, salvar e estar em condições de salvar vidas. Falam, e poderá ser no campo da boataria, que há carência de médicos e seria porque médicos passaram a atender no posto 24h, reduzindo o número do Bom Jesus. Já ouvi também que o problema principal é a falta de recursos financeiros, até porque o Hospital atende pacientes de outras regiões, cuja solução passaria pela formação de um consórcio entre os municípios. No dia 26 de março, das 8 às 10h, na sede da CICS, em Taquara, teremos mais um fórum da saúde da Agenda Paranhana 2020  Esperamos que o debate saudável e transparente prepondere e se consiga evoluir na concretização do projeto fazer do Hospital Bom Jesus um hospital regional marcado pela qualidade no atendimento.

Leave a Reply

Arquivos