Apresentação

Este blog é uma tentativa de traduzir o trabalho do pensamento em palavra escrita, com direito a falhas, equívocos e perdões.
Obrigado aos que tiveram o trabalho de dedicar sua atenção!

Perfil

Marcos Kayser é filósofo e empresário. Escreveu o livro O Paradoxo do Desejo, com prefácio de Márcia Tiburi, onde busca investigar a "mecânica do desejo nas relações de poder", e o livro Quando Tamanho não é documento, contando a história da gestão da TCA, empresa da qual é um dos fundadores e foi vencedora do Prêmio Nacional de Inovação. Idealizador do Scopi, software líder de mercado, que tem como objetivo ajudar as organizações a criarem a cultura do planejamento.

Conheça o Scopi
Obras do Autor
Buscar

Natal: a busca contínua pelo nascimento

Natal, dia instituído pela Igreja Católica, no ano 350, pelo Papa Julio I, para comemoramos o nascimento de um tal de Jesus Cristo. Embora alguns questionem a data e até mesmo a existência de um Deus que se fez homem para salvar a humanidade do pecado, pecado este também questionado, é inegável o significado do Natal. Até mesmo os não cristãos, para os quais Jesus pouco representa, sentem-se envolvidos pelo clima natalino. É talvez o momento do ano em que somos mais cordiais para com o outro, pelo menos aqueles mais próximos de nós, familiares, amigos e colegas de trabalho. Deixamos de lado as desavenças e as diferenças. Até ateus declaram “Feliz Natal”, mesmo que para eles não há muito sentido felicitar pelo nascimento de um Jesus sem sentido. É uma felicitação que expressa alteridade, desejo de ver o outro feliz, acolhido, renascendo, conforme a etimologia da palavra diz. Nascer de novo, renovar os sonhos e, quem sabe, convidar para viver com mais justiça, harmonia e amor; menos egoísmo, ganância e desamor. Todos, ou quase todos, estão inseridos na cultura natalina, onde o cenário favorece ao culto da alegria. Sorri a economia. Quem não gosta de receber um presente? E dar um presente? Mais do que o valor do objeto em si, é bom demais ser lembrado e reconhecido por alguém. Somos originalmente carentes, tanto é assim que ninguém é alguém somente. Mas há os excluídos, os deprimidos, os moribundos. Estes passam um Natal sofrido. Tomara que tenham a sorte de encontrar um coração com coragem para fazer algo que possa aliviar a dor que sentem. E como tudo, o dia de Natal também termina. E vem a esperança que no próximo ano estejamos bem vivos, comemorando que estamos vencendo a busca contínua pelo nascimento. FELIZ NATAL A TODOS VIVENTES!

Leave a Reply

Arquivos