Apresentação

Este blog é uma tentativa de traduzir o trabalho do pensamento em palavra escrita, com direito a falhas, equívocos e perdões.
Obrigado aos que tiveram o trabalho de dedicar sua atenção!

Perfil

Marcos Kayser é um dos sócios fundadores da TCA Informática que iniciou atividades em 1988. Idealizador do software Scopi. Bacharel, licenciado e mestre em Filosofia pela Unisinos. Tem curso de formação em gerenciamento de projetos. Presidiu a Câmara da Indústria, Comércio, Serviços e Agropecuária do Vale do Paranhana (CICS-VP). Preside o Comitê Regional do PGQP no Paranhana. Escreveu o livro O Paradoxo do Desejo, com prefácio de Márcia Tiburi, onde busca investigar a "mecânica do desejo nas relações de poder", e o livro Quando Tamanho não é documento, contando a história da gestão da TCA, vencedora do Prêmio Nacional de Inovação.

Obras do Autor
Buscar

Archive for junho, 2011

Saúde: o que está ruim pode piorar.

No último dia 21 aconteceu o Fórum da Saúde promovido pela Agenda Paranhana 2020. Os fóruns tem como objetivo principal analisar a situação dos vários temas estratégicos da Agenda, com base em indicadores, para então discutir os projetos e as ações que visam melhorar tal situação. No caso da saúde, chama a atenção dois pontos que podem passar desapercebidos. O primeiro é que não há a integração necessária entre os agentes da saúde. Os três hospitais, representados no Fórum, quando perguntados se alguma vez haviam se reunido para discutir problemas e soluções comuns, calaram-se reconhecendo que os encontros não são uma prática normal. Nos últimos tempos, é bem provável que isso não ocorreu. Esta falta de integração, que perpassa a sociedade como um todo, acaba enfraquecendo ainda mais o poder já limitado de cada instituição. Ao mesmo tempo, impressiona o fato de todos apontarem a integração como essencial para a conquista do que se espera. Agora por que fora do discurso isso não acontece? Esta é uma pergunta que exigiria um verdadeiro congresso filosófico e psicanalítico, mas enquanto não ocorre, vale a iniciativas da CICS-VP que em muitos momentos vem conseguindo reunir partes interessadas responsáveis pela gestão e eventuais mudanças. O segundo ponto que chama a atenção é a convicção dos especialistas que estavam presentes no Fórum de que a situação da saúde em termos de estrutura de atendimento hospitalar irá piorar. Na medida em que o hospital regional dispor de mais condições de atendimento, dentre os quais a UTI, a demanda que está reprimida fará com que o hospital chegue imediatamente a um esgotamento, visto que por lei tem a obrigação de receber pessoas de todo o estado. Não será surpresa se os corredores do hospital alojarem pacientes. Engana-se quem pensa que a abertura da UTI resolve os grandes problemas da saúde pública. A regulamentação da Emenda Constitucional 29 é uma necessidade urgente para começar a tirar os hospitais da UTI. Um investimento em mais leitos especialmente em Taquara e Parobé também se faz necessário, além, de políticas que evitem que as pessoas procurem os hospitais quando não é o destino indicado, prejudicando aqueles cujos casos são de complexidade são maior. Tomara que o Fórum tenha os desdobramentos que se espera, pelo menos dentro do limites da esfera municipal. Que os hospitais adotem um modelo de gestão, quem sabe com base no PGQP. Que as secretarias municipais também, seguindo o exemplo da secretaria de saúde de Três Coroas. E que os hospitais consigam definir estratégias de atuação subsidiados pelos agentes públicos e o Paranhana sirva de exemplo positivo para todo o Estado, começando pela redução drástica dos translados de pacientes para Porto Alegre.

Marcos Kayser

As sutilezas de uma lista de desejos

A lista de Alice Pyne, uma adolescente britânica de 15 anos em estado terminal de câncer, agitou a Internet no mundo. Seu blog, no qual relata relaciona uma lista de 17 desejos que pretende realizar antes de morrer, atraiu mais de 230 mil visitantes em poucos dias. Alice lançou seu blog após seus médicos terem considerado que não há mais tratamentos possíveis para o linfoma descoberto há quatro anos. A garota chama a atenção pelo seu alto grau de maturidade, autenticidade e coragem. Virtudes que muitos de nós adultos vivem e morrem sem tê-las. Ela reconhece que família e amigos são preciosidades e diz que pretende reservar o tempo precioso que lhe resta a eles, fazendo as coisas que mais deseja. Alice é sutil, quando afirma: “você só tem uma vida (…) viva a vida”. Muitos passam a vida projetando viverem só depois de morrerem. E a sutileza não pára. “Ter um iPad roxo”, ou seja, a felicidade não está na tecnologia em si, mas na cor, o que remete a uma grande sensibilidade. Entre outros desejos estão nadar com tubarões, encontrar a banda Take That, visitar uma fábrica de chocolates, fazer uma sessão de fotos com 4 amigas, fazer uma massagem nas costas. Uma mistura de provável e improvável, de atingível e inatingível, de racional e irracionalidade. E Alice é humilde e generosa, por isso, talvez, esteja conseguindo ainda dar sentido a vida, mesmo com o decreto do fim marcado. “Nossa, eu pensei que estava só fazendo um pequeno blog para alguns amigos! Muito obrigado por todas suas adoráveis mensagens para mim”, diz ela. Alice também é solidária e incluiu em sua lista “fazer todo mundo se inscrever para se tornar doador de medula”. Nada de estupendo e fenomenal para mostrar que a felicidade não é diretamente proporcional a complexidade. Rancor e ressentimento não estão na lista de Alice. Assim, fica fácil decifrar os motivos pelos quais Alice se mantém vivendo com intensidade, mesmo estando com os dias contados e em estado debilitado. Ela mesmo reconhece a impossibilidade de realizar alguns desejos da lista, “algumas coisas não vão acontecer, porque eu não posso nem mesmo viajar mais”, diz ela, mesmo assim, não os exclui da lista. Um tanto curioso, afinal, por que enumerar alguns desejos mesmo sabendo da impossibilidade de realizá-los? Não será porque a felicidade começa no sonho? E você, tem uma lista?

Marcos Kayser

Arquivos