Apresentação

Este blog é uma tentativa de traduzir o trabalho do pensamento em palavra escrita, com direito a falhas, equívocos e perdões.
Obrigado aos que tiveram o trabalho de dedicar sua atenção!

Perfil

Marcos Kayser é filósofo e empresário. Escreveu o livro O Paradoxo do Desejo, com prefácio de Márcia Tiburi, onde busca investigar a "mecânica do desejo nas relações de poder", e o livro Quando Tamanho não é documento, contando a história da gestão da TCA, empresa da qual é um dos fundadores e foi vencedora do Prêmio Nacional de Inovação. Idealizador do Scopi, software líder de mercado, que tem como objetivo ajudar as organizações a criarem a cultura do planejamento.

Conheça o Scopi
Obras do Autor
Buscar

Uma definição para a vida

O pensar filosófico nos leva muitas vezes a buscar redefinir alguns conceitos. Deleuze em seu livro “O que é filosofia?” diz que filosofar é a arte de criar conceitos. Meu alcance filosófico não chega ao mérito de criar conceitos, mas me permito conjugar algumas palavras até compor uma definição que para mim tem significado, por uma certa coerência e, principalmente, pela autenticidade. Compor definições próprias, dá uma sensação de entendimento e domínio sobre o objeto que se consegue definir. Talvez o maior dos conceitos seja a vida (ou a existência) e pelas andanças do pensamento cheguei a uma definição facilmente compreensível e aceita, inclusive por aqueles com aversão a teoria. Ficou assim: a vida é uma multiplicidade de coisas (corpos) em contínuo movimento e mútuo relacionamento. Esta definição da vida pressupõe escolhas, diante da multiplicidade que se apresenta. Se temos que escolher, deixamos muitas coisas sem dar conta, já que não é possível abarcar a totalidade das oportunidades, por falta até de conhecimento e também potencialidade. Lembremo-nos, somos seres limitados, mesmo que elevados a condição de mais evoluídos da espécie. Continuando, as coisas estão em contínuo movimento, o que é o mesmo que dizer que tudo morre, pelo menos daquela forma, ou se extingui ou se transforma. Isso não soa muito bem para quem credita toda a aposta na perenidade, como também para aqueles que estão plenamente satisfeitos com a vida que levam. O estado de plenitude não tem duração garantida, pois a efemeridade reina. Nada resiste ao fluxo natural da vida. Heráclito, o filósofo grego, parece ter razão. Uma pessoa não se banha duas vezes no mesmo rio, pois a água não é a mesma, assim como a pessoa que a cada instante muda. Concluo a definição dizendo que todas as coisas se relacionam mutuamente, que é o mesmo que dizer que tudo está interligado e uma coisa depende da outra. Mais cedo ou mais tarde seremos afetados pelas ações e decisões que tomamos a todo momento. Por isso somos responsáveis pelo que colhemos, seja o amor, seja o ódio.Se não formos afetados em tempo, indiretamente seremos, pois nossos filhos, parentes, amigos e irmãos planetários serão brindados, ou com algum bônus, ou com o onus da conta. Isso parece meio ecológico, mas está de acordo com a definição que encontrei para a vida. Definição que também é transitória, como a vida, conforme eu mesmo na definição escrevi. Por enquanto, fico satisfeito e repito: a vida é uma multiplicidade de coisas em contínuo movimento e mútuo relacionamento. E aí, qual é a sua definição para a vida?

Leave a Reply

Arquivos