Apresentação

Este blog é uma tentativa de traduzir o trabalho do pensamento em palavra escrita, com direito a falhas, equívocos e perdões.
Obrigado aos que tiveram o trabalho de dedicar sua atenção!

Perfil

Marcos Kayser é um dos sócios fundadores da TCA Informática que iniciou atividades em 1988. Idealizador do software Scopi. Bacharel, licenciado e mestre em Filosofia pela Unisinos. Tem curso de formação em gerenciamento de projetos. Presidiu a Câmara da Indústria, Comércio, Serviços e Agropecuária do Vale do Paranhana (CICS-VP). Preside o Comitê Regional do PGQP no Paranhana. Escreveu o livro O Paradoxo do Desejo, com prefácio de Márcia Tiburi, onde busca investigar a "mecânica do desejo nas relações de poder", e o livro Quando Tamanho não é documento, contando a história da gestão da TCA, vencedora do Prêmio Nacional de Inovação.

Obras do Autor
Buscar

Archive for julho, 2008

Exemplos de uma Taquara diferenciada

Há contextos peculiares que passam muitas vezes desapercebidos do nosso olhar um tanto ocupado. Num contexto de cidade, que vai além da nossa aldeia privada, há pessoas que praticam rotinas muito similares as nossas, mas também encontramos pessoas que se diferenciam em pequenos grandes detalhes. São pessoas que rompem com a rotina com a qual já estamos acostumados, ou melhor, resignados. São pessoas empreendedoras que disponibilizam produtos e serviços cuja forma e conteúdo são peculiares, gerando bem estar aos de dentro e aos de fora. Quem ganha com isso? Todos que gostam de diversidade e qualidade! Quem não gosta de ter um lugar para ir saborear um gostoso sorvete a qualquer dia, inclusive feriado, e em todas as estações do ano? Quem é da cidade e também alguns de fora que passam por ela sabem, estamos falando da sorveteria da Dona Leda, que às crianças e aos adultos dá prazer de longa data. Incansável Dona Leda! Muito obrigado! Bem perto dela, quem sabe contaminado pelo tino empreendedor desta senhora, encontramos uma outra raridade que também possui sua diferenciada singularidade. O negócio até parece simples, mas se diferencia na forma.  Uma atividade que apesar de utilitária também tem o gosto como ponto chave. É a barbearia do Beto cuja carga horária estendida conquista a fidelidade da “clientelada”. Ele trabalha de segunda a sábado e atende até altas horas. Mais precisamente até as vinte e uma horas dá tratamento de grande cidade onde temos a vantagem de a qualquer hora podermos desfrutar o produto e o serviço desejado. Em Taquara, felizmente, temos pessoas assim, dando cor a outra face da cidade e ensinando na escola da vida que é preciso abdicar em certa medida da boa vida para se conquistar a vida boa.  A sorveteria da Dona Leda e a barbearia do Beto representam o lado bom da Taquara.

Crônica da Cidade Perdida

Cidade com a menor renda per capita da região e dentre as piores do Estado. Cidade com a menor taxa de empregabilidade da região (saldo de emprego a cada 1000 habitantes), neste ano de 2008. Cidade com a pior nota no IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) dos anos iniciais (só tem índices melhores quando contabilizadas as escolas particulares). Cidade com o maior número de homicídios da região nos últimos dois anos. Cidade da região com o maior número de famílias atendidas pelo programa Bolsa Família. Cidade com o legislativo mais dispendioso financeiramente da região. Para completar: cidade com uma população superior aos 50 mil, sem um único hospital (nem por caridade). É bom cessar com a seção tortura para não parecer sarcasmo puro. Os que olham de fora, e sabem um pouco da história, se sensibilizam. Um dos sentimentos é a compaixão. Compaixão com os mais antigos, deprimidos ao lembrarem saudosos do que viveram e viram. Compaixão com o cidadão que ao pagar seus impostos em dia, reserva-se o direito de desejar excelência nos serviços públicos, mas o que vê é precariedade quando não carência.  Compaixão com aqueles que empreendem, gerando trabalho e renda, resistindo bravamente a escassez de condições, mais por teimosia e paixão do que por uma estratégica opção.  Além da compaixão, pairam dúvidas:  O que fazem os políticos da cidade? Não são eles os representantes do interesse da população? Saúde, educação e segurança, não são da (in)competência pública? Cadê a boa fé e a boa vontade, e a qualidade? E os cidadãos não reagem? Pois é, parece que a cidade se perdeu e junto dela (e nem poderia ser diferente) os seus cidadãos. Talvez por certa ingenuidade, ou comodidade, ou ainda, desconhecimento de causa, em função do sistema vigente ter sido inteligentemente arquitetado. Se no campo da religiosidade, pela fé o Paraíso Perdido será reencontrado, será também pela fé que a Cidade Perdida será resgatada? Como diz a música: “só não se sabe fé em quê”.

Arquivos