Apresentação

Este blog é uma tentativa de traduzir o trabalho do pensamento em palavra escrita, com direito a falhas, equívocos e perdões.
Obrigado aos que tiveram o trabalho de dedicar sua atenção!

Perfil

Marcos Kayser é filósofo e empresário. Escreveu o livro O Paradoxo do Desejo, com prefácio de Márcia Tiburi, onde busca investigar a "mecânica do desejo nas relações de poder", e o livro Quando Tamanho não é documento, contando a história da gestão da TCA, empresa da qual é um dos fundadores e foi vencedora do Prêmio Nacional de Inovação. Idealizador do Scopi, software líder de mercado, que tem como objetivo ajudar as organizações a criarem a cultura do planejamento.

Conheça o Scopi
Obras do Autor
Buscar

Taquara: Ideal versus Real

Taquara está fazendo aniversário. São 120 anos de glória. Glória cantada nos versos do seu hino, composto em 1° de junho de 1970, pelo seu Eldo Ivo Klein e pelo maestro Gustavo Adolfo Koetz, este último já falecido. O hino nos fala também de esperança vibrante, de progresso constante, que me parecem não passam de ilusões, pois a cada dia estão mais distante. Sem pessimismo, mas realismo, não seria uma prática muito honesta considerar Taquara como sendo hoje a mesma que inspirou, especialmente o seu Eldo. Certamente que Taquara não é mais tão formosa nem tão bela, não tem se quer mais praças e perdeu muito de sua graça. Lugar pra ficar, talvez pra morar, pois trabalhar é cada vez mais complicado. Que digam os jovens, basta verificar quantos ficam e quantos saem. Por quê? Porque são cada vez mais raras as oportunidades de trabalho. Indústrias? Estas se foram, principalmente depois da transformação de Parobé, de Distrito Industrial em cidade. Uns dirão que foi um acontecimento natural e inevitável. Outros questionam que a emancipação poderia ter sido evitada e citam exemplos de outras cidades que possuem distrito industrial no qual não é possível o estabelecimento de residências e, assim, não há demanda para o processo emancipatório. Faltou estratégia? É bem provável. E aí, estamos falando de administrações públicas, que não conseguiram preparar o futuro das gerações futuras. Taquara não cumpriu com a promessa expressa no hino, com a grandeza das suas gerações. Além de perder seu Distrito Industrial, as administrações sucumbiram diante do desafio da reconstrução de uma nova planta industrial. Não elaboraram um plano de desenvolvimento sustentável e eficiente para Taquara, que, necessariamente, deveria ter passado pela re-industrialização. Não só constituída de fábricas de calçados, mas também de fábricas de software e de entretenimento, que representam um novo perfil da indústria pós-moderna. Se o futuro de Taquara tivesse sido pensado com visubilidade de longo prazo, provavelmente, hoje seríamos novamente a capital do sorriso, como diz o hino. Sorrir hoje por Taquara está mais para cinismo e ironia. E, assim, Taquara perdeu o lugar de destaque na História. Todavia, muitos não conseguem deixar de gostar desta terra, apesar do esforço de muitos que fazem de tudo para que os taquarenses percam as esperanças na ressurreição da cidade. Quem sabe, Taquara ainda tenha heróis, conforme cita o hino. Só mesmo heróis seriam capazes de resgatar nossas aspirações, no sentido de viabilizarem a grandeza das próximas gerações. Com fé e ardor nos corações e, também, com muita consciência da necessidade das transformações, a população bem que poderia agir no sentido de mudar está triste situação, sentimento vivido principalmente por aqueles que assumem a condição de taquarenses cidadãos.

Leave a Reply

Arquivos