Apresentação

Este blog é uma tentativa de traduzir o trabalho do pensamento em palavra escrita, com direito a falhas, equívocos e perdões.
Obrigado aos que tiveram o trabalho de dedicar sua atenção!

Perfil

Marcos Kayser é um dos sócios fundadores da TCA Informática que iniciou atividades em 1988. Idealizador do software Scopi. Bacharel, licenciado e mestre em Filosofia pela Unisinos. Tem curso de formação em gerenciamento de projetos. Presidiu a Câmara da Indústria, Comércio, Serviços e Agropecuária do Vale do Paranhana (CICS-VP). Preside o Comitê Regional do PGQP no Paranhana. Escreveu o livro O Paradoxo do Desejo, com prefácio de Márcia Tiburi, onde busca investigar a "mecânica do desejo nas relações de poder", e o livro Quando Tamanho não é documento, contando a história da gestão da TCA, vencedora do Prêmio Nacional de Inovação.

Obras do Autor
Buscar

Archive for abril, 2006

Taquara na lanterna do desempenho público

A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) divulgou o Índice de Responsabilidade Fiscal, de Gestão e Social (IRFGS) dos municípios brasileiros. Elaborado com base em dados oficiais do exercício de 2004, o índice tem como objetivo avaliar o desempenho das administrações municipais, criando o ranking do desempenho fiscal, administrativo e social. O Índice de Responsabilidade Fiscal mede a relação de endividamento, suficiência de caixa e gastos com funcionalismo. O Índice de Gestão leva em consideração quanto dinheiro público é consumido no custeio da máquina administrativa, incluindo a Câmara de vereadores, e quanto é aplicado em investimentos. O Índice Social mede o acesso da população à Saúde e à Educação. A metodologia utilizada avaliou os municípios numa escala que varia de zero a um. Para o cálculo da média final, a dimensão fiscal teve peso de 50%, a gestão 30% e o social 20%. Uma das conclusões da CNM, ao analisar os resultados do IRFGS é que existe uma relação inversa entre as responsabilidades fiscal e social. “Existe uma tendência dos municípios de focar a atenção para a responsabilidade fiscal e esquecimento social”, diz o presidente da entidade, Paulo Ziulkoski. “E quem cuida muito da saúde e educação acaba descuidando da responsabilidade fiscal”, analisa. Entre os 100 primeiros do ranking, o Rio Grande do Sul se destaca com 39 municípios, seguido por São Paulo (19) e Santa Catarina (14). Dentre estes 39 municípios do Rio Grande do Sul, Três Coroas aparece na posição 35, como único município do Paranhana entre os 100 melhores colocados. Igrejinha aparece na posição 501; Riozinho na posição 1267; Parobé na posição 2315; Rolante na posição 3598 e Taquara na lamentável posição 3944. A chave para o bom desempenho está na eficiência da gestão, que, em síntese, significa administrar com austeridade, gastando apenas o que tem naquilo que é prioridade para a comunidade. Pelos resultados, Taquara e outros municípios precisam aprender muito. E professor tem, é Três Coroas.

Taquara: Ideal versus Real

Taquara está fazendo aniversário. São 120 anos de glória. Glória cantada nos versos do seu hino, composto em 1° de junho de 1970, pelo seu Eldo Ivo Klein e pelo maestro Gustavo Adolfo Koetz, este último já falecido. O hino nos fala também de esperança vibrante, de progresso constante, que me parecem não passam de ilusões, pois a cada dia estão mais distante. Sem pessimismo, mas realismo, não seria uma prática muito honesta considerar Taquara como sendo hoje a mesma que inspirou, especialmente o seu Eldo. Certamente que Taquara não é mais tão formosa nem tão bela, não tem se quer mais praças e perdeu muito de sua graça. Lugar pra ficar, talvez pra morar, pois trabalhar é cada vez mais complicado. Que digam os jovens, basta verificar quantos ficam e quantos saem. Por quê? Porque são cada vez mais raras as oportunidades de trabalho. Indústrias? Estas se foram, principalmente depois da transformação de Parobé, de Distrito Industrial em cidade. Uns dirão que foi um acontecimento natural e inevitável. Outros questionam que a emancipação poderia ter sido evitada e citam exemplos de outras cidades que possuem distrito industrial no qual não é possível o estabelecimento de residências e, assim, não há demanda para o processo emancipatório. Faltou estratégia? É bem provável. E aí, estamos falando de administrações públicas, que não conseguiram preparar o futuro das gerações futuras. Taquara não cumpriu com a promessa expressa no hino, com a grandeza das suas gerações. Além de perder seu Distrito Industrial, as administrações sucumbiram diante do desafio da reconstrução de uma nova planta industrial. Não elaboraram um plano de desenvolvimento sustentável e eficiente para Taquara, que, necessariamente, deveria ter passado pela re-industrialização. Não só constituída de fábricas de calçados, mas também de fábricas de software e de entretenimento, que representam um novo perfil da indústria pós-moderna. Se o futuro de Taquara tivesse sido pensado com visubilidade de longo prazo, provavelmente, hoje seríamos novamente a capital do sorriso, como diz o hino. Sorrir hoje por Taquara está mais para cinismo e ironia. E, assim, Taquara perdeu o lugar de destaque na História. Todavia, muitos não conseguem deixar de gostar desta terra, apesar do esforço de muitos que fazem de tudo para que os taquarenses percam as esperanças na ressurreição da cidade. Quem sabe, Taquara ainda tenha heróis, conforme cita o hino. Só mesmo heróis seriam capazes de resgatar nossas aspirações, no sentido de viabilizarem a grandeza das próximas gerações. Com fé e ardor nos corações e, também, com muita consciência da necessidade das transformações, a população bem que poderia agir no sentido de mudar está triste situação, sentimento vivido principalmente por aqueles que assumem a condição de taquarenses cidadãos.

Arquivos