Você também pode ter o melhor da fibra ótica com a TCA. Contrate agora: 51 3541.9100

Tem dias que não rendem. Seja uma notificação de mensagem, um cachorro latindo na rua ou o vaivém dos carros, qualquer barulho atrapalha a concentração. Difícil lidar com situações assim, especialmente quando se tem um relatório para entregar ou uma prova para a qual estudar.

Não dá para silenciar os ruídos do mundo, mas é possível aumentar o volume. Isso mesmo: a solução para reencontrar o foco pode estar numa simples playlist. Porém, nada de ouvir heavy metal ou música de balada. A ciência aponta que outros sons, às vezes pouco comuns no dia a dia, são os melhores aliados da produtividade.

A ciência da concentração

A atenção seletiva é a capacidade que o cérebro humano tem de ocupar-se com uma tarefa em detrimento às outras. O problema é que todos os estímulos do ambiente podem instigar nosso sistema de alerta. Aí, às vezes a cabeça sai do trabalho e passa a priorizar qualquer bobagem.

É natural. Dificilmente o corpo aguenta mais de 40 minutos na mesma atividade sem necessitar de alguma pausa. Levantar-se da cadeira, tomar um café ou mesmo checar as redes sociais são ações bem-vindas, mas com limite. Se as distrações são excessivas, a produtividade cai.

Pois a neurociência e a psicoacústica, a psicologia da percepção dos sons, ajudam a entender como recobrar a atenção. A saída está na música.

Quando as ondas sonoras entram pelos ouvidos e chegam ao cérebro, ativam uma área chamada cerúleo. Esses neurônios produzem noradrenalina, um estimulante natural que, em níveis corretos, colabora no controle da ansiedade e do estresse.

Algumas melodias também mantêm a mente ocupada o bastante para que uma tarefa não se torne cansativa. Na prática, elas impedem que a concentração recaia sobre assuntos menos importantes.

Quais músicas ouvir no trabalho?

Nem todo estilo funciona. Canções com letra podem ser mais distrativas que as instrumentais. O mesmo vale para composições cheias de dinâmicas, muito aceleradas ou que despertem alguma emoção mais forte. Elas podem exigir demais do cérebro.

Os cientistas recomendam músicas neutras, que você não ame nem odeie. Para a maioria das pessoas, isso significa recorrer a peças orquestradas.

Um estudo de 1993, publicado na revista Nature, popularizou o “efeito Mozart”. A pesquisa indicou que a obra do compositor austríaco melhoraria funções cognitivas. Mais tarde, descobriram-se resultados semelhantes para outros nomes clássicos.

Em 2011, universitários franceses foram divididos em dois grupos. O primeiro assistiu a uma palestra com música incidental. O segundo teve acesso ao mesmo conteúdo, mas sem trilha de fundo. Ao responderem uma prova sobre o assunto, os estudantes que ouviram Bach, Mozart e Tchaikovsky acertaram mais questões.

Além disso, esses gêneros musicais podem reduzir a pressão sanguínea – algo importante para relaxar em momentos de tensão. Tal fenômeno não acontece quando se escuta jazz ou pop, conforme percebido por investigadores da Universidade de San Diego, na Califórnia.

É claro que pode haver exceções. Por exemplo, o movimento final do concerto nº 2 das Quatro Estações de Vivaldi. Tenso, assim como a Cavalgada das Valquírias, de Wagner. Talvez seja melhor começar pelas sonatas de Beethoven ou pelos noturnos de Chopin.

Playlists para foco no trabalho

Que tal experimentar? As composições para piano do polonês Frédéric Chopin ficam ainda mais expressivas com a execução de Brigitte Engerer. O álbum duplo com todos os noturnos está disponível no Spotify.

No entanto, não é preciso voltar ao século XIX para encontrar a trilha do expediente. Compositores contemporâneos também se dedicam a criar ambientações sonoras neutras e agradáveis. Um dos mais famosos é Brian Eno, que lançou títulos como Music for Airports, de 1978.

Ainda, é importante lembrar que o cérebro se acostuma aos estímulos ao redor. Por isso, às vezes é preciso variar a playlist. Uma seleção com artistas diversos é ótima. Quanto mais longa, melhor, pois você não terá que interromper o trabalho para dar o play de novo – nem ouvir cinco vezes a mesma melodia em repeat.

Caso seu interesse passe longe da música clássica, pode testar um jazz ou até mesmo um som eletrônico. O pessoal da Deezer já fez a curadoria:

Classical Music at Work

Jazz at Work

Workday Focus

Se nada disso der certo, uma última sugestão é o serviço da Focus@Will. A empresa desenvolve composições próprias que prometem otimizar a produtividade. Tem acústica, lounge e orquestrada, além de barulhos de background, como água correndo e restaurante lotado.

Com bons fones de ouvido, você abafa os ruídos exteriores e consegue concentrar-se nos afazeres mais complicados. Só que não dá para aproveitar os benefícios dessas playlists se a conexão fica instável e a música para a toda hora, né?

Conheça os Planos de Internet Fibra Ótica da TCA e acabe com os contratempos. Seu poder de atenção agradece.